WhatsApp_Image_2023-09-13_at_19.42.21

DoutoresPalhaços

Municípios de Atuação

Municípios

Ibirubá

Ibirubá nasceu do pioneirismo dos imigrantes, que cultivaram um legado de trabalho e cooperação, moldando a sociedade com ênfase na agricultura. O município, inicialmente chamado Barão de São Jacob e depois General Osório, adotou o nome atual em 1938, sugerido por sua persistência e crescimento, como a pitangueira do mato em Tupi-Guarani. Os primeiros habitantes foram índios Tupi-guaranis e Jê, especialmente os Kaigang. As terras originais foram habitadas por posseiros, índios e jesuítas antes de serem adquiridas pela empresa colonizadora Dias e Fagundes.

Quinze de Novembro

O Município de Quinze de Novembro teve suas origens entre 1896 e 1914, período em que começou a colonização no distrito de Santa Clara com famílias de Montenegro. O núcleo de Quinze de Novembro foi estabelecido em 1914 pelo topógrafo alemão Alberto Schmidt, que loteou e vendeu as terras para colonos vindos de Cruz Alta e da região da Colônia Velha do Rio Grande do Sul, a maioria descendente de imigrantes alemães. O nome do município provavelmente deriva da data de inauguração do templo local da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - IECLB, em 15 de novembro de 1915.

Selbach

O Município de Selbach teve seu início de colonização em 1905, quando as terras foram adquiridas pelo Coronel Jacob Selbach Junior do Governo Federal. As áreas foram vendidas em pequenos lotes para colonos, principalmente agricultores católicos e de preferência de origem alemã. A colonização começou com a agricultura rudimentar de subsistência, como milho, feijão, trigo, fumo, mandioca e batatas, em meio à floresta nativa da região. O Coronel Selbach incentivou a construção da primeira capela e escola, garantindo assim a coesão social e religiosa entre os colonos. Em homenagem ao seu fundador, o município recebeu o nome de Selbach, mantendo essa denominação ao longo de sua história.

-Panambi-

Panambi, localizado no planalto rio-grandense, teve suas origens com povoação portuguesa por volta de 1820 e posterior colonização alemã com a fundação da Colônia "Neu-Württemberg". A administração inicial foi conduzida pelo Dr. Hermann Meyer, que promoveu a colonização com imigrantes de Württemberg e outras regiões do sul do Brasil. A denominação da colônia variou ao longo dos anos até se tornar Panambi em 1944. Emancipou-se como município em 1954 após plebiscitos e conflitos, sendo oficialmente instalado em 1955.

Não Me Toque

Não-Me-Toque, originalmente conhecida como "Colônia do Alto Jacuí", foi colonizada por imigrantes luso-brasileiros no início do século XIX e recebeu imigrantes alemães a partir de 1824, seguidos por holandeses em 1949. Emancipou-se como município em 1954, após um plebiscito que rejeitou a mudança de nome para Campo Real. Desde 2009, é reconhecida como "Capital Nacional da Agricultura de Precisão", destacando-se pelo uso avançado de tecnologia na agricultura.

Santa Bárbara do Sul

Santa Bárbara do Sul surgiu ao longo de um antigo caminho de tropeiros que levavam mulas para a feira de Sorocaba, em São Paulo. As primeiras concessões de terras datam de 1820, sendo uma das primeiras propriedades a fazenda Santa Bárbara, formada por Atanagildo Pinto Martins. Esta fazenda eventualmente deu origem à cidade. Santa Bárbara do Sul foi elevada à categoria de vila pelo Decreto Federal número 7.199 em 31 de março de 1938. Em 31 de janeiro de 1959, foi oficialmente desmembrada do município de Cruz Alta.

Espumoso

Espumoso tem sua história vinculada à região de Soledade, que inicialmente pertenceu à Província das Missões Orientais. Colonizada a partir de 1835, Soledade se tornou município em 1875, enquanto as terras de Espumoso permaneceram quase desertas até o início do século XX. O nome "Espumoso" vem das cachoeiras que criavam espuma abundante no Rio Jacuí, um fenômeno natural que impressionava os viajantes. A cidade se desenvolveu como ponto estratégico de travessia e embalsamento de madeira dos pinheirais do norte, facilitando o comércio com outras regiões.

Ijuí

Ijuí, localizada no Noroeste do RS, é conhecida como "Terra das Culturas Diversificadas". Destaca-se por sua economia robusta, baseada em agropecuária, comércio, indústrias e serviços. Abriga a UNIJUÍ e hospitais de excelência. A cidade é sede da Cotrijuí e da IMASA, fabricante de máquinas agrícolas. As temperaturas variam entre -3°C e 38°C. A BR-285 e outras rodovias conectam Ijuí a importantes cidades. A Expo-Ijuí e a Fenadi celebram a diversidade étnica com comércio, indústria, artesanato, danças e culinária. O Esporte Clube São Luiz é o principal clube esportivo local.

-Tapera-

Tapera foi colonizada por italianos e alemães a partir de 1897, estabelecendo-se às margens dos rios e próximos aos pinheirais. O Coronel Gervásio Luccas Annes e Alberto Schimidt foram fundamentais no desenvolvimento da região. O nome da cidade vem de uma "tapera", um antigo rancho de tropeiros. Em 1954, tornou-se cidade, desmembrando-se de Carazinho, com apoio de líderes como Dr. Jacob André Avelino Steffens. A primeira administração iniciou em 1955, com Dionísio Lothário Chassot como prefeito. Desde 2008, o aniversário de emancipação é celebrado em 28 de fevereiro.

Saldanha Marinho

Saldanha Marinho foi estabelecida oficialmente em 1895, quando migrantes das colônias se instalaram na região. A cidade homenageia Joaquim Saldanha Marinho. A colonização inicial foi por descendentes de alemães e italianos. Inicialmente agrícola e pecuária de subsistência, diversificou-se com o cultivo de trigo. A construção da BR-285 em 1959 impulsionou o crescimento urbano e econômico. Emancipou-se em 1988 após plebiscito popular, criando o município de Saldanha Marinho pela Lei nº 8593.

Marau

Marau, inicialmente utilizado para o tropeio de gado, viu seu desenvolvimento com a chegada de imigrantes italianos por volta de 1904. Tornou-se sede do 5º Distrito de Passo Fundo em 1916. A economia inicialmente baseada na agricultura de subsistência evoluiu com a comercialização de suínos a partir dos anos 20 pelo frigorífico Borella. Nas décadas seguintes, a instalação de agências bancárias, o cooperativismo agrícola e a mecanização transformaram a economia, inicialmente focada na monocultura.

Sarandi

Sarandi, fundada em 1982, teve suas origens na década de 30, quando famílias pioneiras começaram a desbravar a região rural para o cultivo de café. Inicialmente planejada pela Companhia Melhoramentos em 1947 como centro de abastecimento para a ferrovia, sua urbanização ganhou impulso nos anos 70 após uma geada devastadora. O crescimento econômico e a demanda por terrenos urbanos levaram à emancipação de Sarandi de Marialva em 1982, após um plebiscito popular.

Carazinho

Carazinho, no Rio Grande do Sul, foi fundada por Pedro Ribeiro da Santana Vargas em 1880. Ele iniciou a cidade após comprar terras e construir uma capela. Pedro morreu tragicamente em 1878 tentando salvar um escravo durante uma cheia. Emancipou-se em 1931, com Homero Guerra como primeiro prefeito. Hoje, é conhecida pela hospitalidade e economia agrícola forte.

Cruz Alta

Cruz Alta teve origem com a erguida de uma cruz em 1698, tornando-se um ponto de invernada para tropeiros e posteriormente uma vila em 1833, e cidade em 1879. Durante a Revolução Farroupilha e a Guerra do Paraguai, teve importância estratégica e contribuiu com voluntários. Em 1879, foi elevada a cidade e gerou 242 municípios filhos ao longo dos anos. É berço de figuras importantes como Érico Veríssimo e Júlio de Castilhos.